Aperte enter para pesquisar

Brasil

VACAS

Assassinas do menino Rhuan são denunciadas por homicídio e mais quatro crimes

A mãe do menino (mãe?!) e a companheira são acusadas de lesão corporal gravíssima, tortura, ocultação e destruição de cadáver e fraude processual

por Jonas Laskouski

Atualizado em 19/06/2019 - 07h15

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) denunciou Rosana Auri da Silva Candido, mãe do menino Rhuan Maycon de Silva Castro, e Kacyla Priscyla Santiago Damasceno Pessoa, sua companheira, por homicídio qualificado, lesão corporal gravíssima, tortura, ocultação e destruição de cadáver e fraude processual. Elas são autoras confessas do assassinato do menino, de 9 anos. A denúncia foi apresentada nessa terça (18).

 

O crime bárbaro aconteceuem 31 de maio, em Samambaia, região de Brasília. No entendimento do Ministério Público, as denunciadas premeditaram o assassinato. Elas planejaram como executariam e destruiriam o corpo da criança. Na noite do assassinato, a dupla esperou Rhuan dormir para cumprir o plano. Rosana, a mãe, desferiu o primeiro golpe no peito do menino, que acordou com o ataque. Kacyla o segurou para que Rosana desferisse as outras facadas. Por fim, a mãe decepou a cabeça do filho ainda com vida.

 

Degolado vivo (Foto: Reprodução)

 

Entre as qualificadoras do homicídio apontadas pelo MPDFT estão o motivo torpe, o meio cruel e o recurso que impossibilitou a defesa da vítima. O primeiro diz respeito ao sentimento de ódio que Rosana nutria em relação à família paterna da criança. Em relação ao segundo, a criança recebeu, ao menos, 11 facadas e foi degolada ainda viva. Por último, Rhuan foi atacado enquanto dormia.

 

DETALHES BÁRBAROS

 

Após o assassinato, a dupla esquartejou, perfurou os olhos e dissecou a pele do rosto da criança. Elas também tentaram incinerar partes do corpo em uma churrasqueira, com o intuito de destruir o cadáver e dificultar o seu reconhecimento. Como o plano inicial não deu certo, elas colocaram partes em uma mala e duas mochilas. Rosana jogou a mala em um bueiro próximo à residência onde ocorreu o crime. Antes que ocultasse as duas mochilas, moradores da região desconfiaram da atitude da mulher e acionaram a polícia, que prendeu as duas autoras em flagrante, em 1º de junho.

 

TORTURA E LESÃO CORPORAL

 

Desde 18 de dezembro de 2014, Rosana vivia com o filho de maneira clandestina. Rhuan foi retirado à força dos cuidados dos avós paternos e era procurado pela família. Até a sua morte, a criança foi submetida a intenso sofrimento físico e mental como forma de castigo pessoal. Enfrentou desprezo e privações. Foi impedido de manter contato com outras pessoas. Ele também não frequentava a escola.

 

Um ano antes do assassinato, a dupla extraiu os testículos e o pênis de Rhuan, em casa, de forma rudimentar, sem anestesia ou acompanhamento médico. Por esses crimes, elas foram denunciadas por tortura e lesão corporal gravíssima.

 

(Com informações do MPDFT e de Ricardo Taffner, do Metrópoles)

Comentários

Notícias Relacionadas

OPINIÃO

Lei de abuso de autoridade é um abuso de "autoridades". Políticas

A repercussão negativa da rápida tramitação da proposta de abuso de autoridade e suas punições tomam conta das redes socias. No Twitter, a hashtag #VetaBolsonaro entrou no Trend Topics e se tornou o assunto mais comentado da rede social no Brasil nesta quinta (15)

MEDIDA PROVISÓRIA

Entenda ponto a ponto o que muda com a MP da Liberdade Econômica

Me afeta, te afeta, nos afeta. Trabalho aos domingos, dispensa de alvará, CLT digital e a possibilidade de abertura de bancos aos sábados estão entre os pontos da medida. Segundo o Governo, a estimativa é que sejam gerados quase 4 milhões de novos empregos. As informações são da Veja

ALERTA

Mais de 2 milhões de brasileiros apresentam traços de dependência alcoólica

3º Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas pela População Brasileira, divulgado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) revela números que impressionam. Quer dizer, será que impressionam mesmo ou é o tipo de coisa que a gente lê e pensa 'ah, mas beber todo mundo bebe'. Não é bem assim não