Aperte enter para pesquisar

Guarapuava e Região

JÁ ERA

Lei dos canudinhos plásticos já está em vigor em Guarapuava e você precisa respeitar

Com a vigência, restaurantes, bares, lanchonetes e padarias têm até 06 de agosto para a adequação. Mas, como pode um item insignificante utilizado brevemente antes de ser descartado, causar tanto estrago? Mais de 5 trilhões de pedaços de plástico estão flutuando nos oceanos e não é porque estamos longe deles que não estamos colaborando

por Jonas Laskouski

Atualizado em 27/07/2019 - 02h12

Há quatro anos, desde que um vídeo mostrou uma equipe de biólogos marinhos salvando uma tartaruga marinha oliva que estava com um canudinho preso dentro do seu nariz viralizou na internet (veja aqui, mas as cenas são fortes e você vai morrer de dó do bicho), teve início uma campanha que foi ficando cada vez mais intensa pelo fim do uso do acessório, mudando a atitude de muitos espectadores ao redor do mundo quanto ao utensílio plástico tão conveniente para muitos. O apelo para o fim do uso também enfoca nos chamados plásticos de único uso: talheres, pratos, copos, embalagens e outros utensílios descartáveis. Sim, meu querido e minha querida, os tempos mudaram. E não, não é mimimi.

 

Mas, como pode o canudo plástico, um item insignificante utilizado brevemente antes de ser descartado, causar tanto estrago? Primeiramente, ele consegue chegar facilmente aos oceanos devido a sua leveza. Ao chegar lá, o canudo não se decompõe. Pelo contrário, ele se fragmenta lentamente em pedaços cada vez menores, conhecidos como microplásticos, que são frequentemente confundidos com comida pelos animais marinhos. Mais de 5 trilhões de pedaços de plástico estão flutuando nos oceanos e não é porque estamos longe deles que não estamos colaborando.

 

É simples e não dói. É só não usar. Ponto (Foto: Reprodução)

 

E, em segundo lugar, ele não pode ser reciclado. “Infelizmente, a maioria dos canudos plásticos são leves demais para os separadores manuais de reciclagem, indo parar em aterros sanitários, cursos d’água e, por fim, nos oceanos”, explica Dune Ives, diretor executivo da organização Lonely Whale, em matéria para a National Geographic. Mais de 5 trilhões de pedaços de plástico estão flutuando nos oceanos e não é porque estamos longe deles que não estamos colaborando

 

Comerciantes ou donos de estabelecimentos que fornecem canudos de plástico em Guarapuava devem ficar atentos. Isso porque a lei municipal nº 2944/2019, sancionada em 03 de junho, pelo prefeito Cesar Silvestri Filho, já está em vigor. A determinação permite apenas o fornecimento de exemplares feitos de papel reciclável, material comestível ou biodegradável que devem ser embalados individualmente em envelopes fechados, feitos do mesmo material. A proposta do projeto de lei é de autoria do vereador Anderson Marcelo de Lima. Na justificativa do projeto, Marcelinho  entre outras coisas lembrou que “Guarapuava por ser referência em exploração turística na natureza, devido suas belas cachoeiras e trilhas, essa lei viria a contribuir muito para a preservação da mesma”.

 

O autor da proposta, vereador Marcelinho (Foto: Reprodução)

 

Com a vigência, restaurantes, bares, lanchonetes, padarias e outros estabelecimentos têm até 06 de agosto para a adequação. “Os meses de julho e agosto são para conscientização e adequação aos comerciantes. Após o fim do prazo, faremos averiguações e, se necessário, iremos autuar as entidades e empresas que não atenderam as exigências”, explicou o secretário de Finanças, Diocesar Costa de Souza.

 

Os comerciantes flagrados distribuindo canudos plásticos após a data prevista, serão advertidos sobre a irregularidade. Caso venha a ocorrer uma segunda infração, receberão multa de R$ 560, que pode aumentar para R$1.200 em caso de reincidência. Após a terceira autuação, a lei prevê o fechamento administrativo do estabelecimento. Vale destacar que, em qualquer caso, será garantida a ampla defesa aos acusados de infração, antes da imposição definitiva da multa.

 

ALTERNATIVAS

 

  • A mais fácil e eficaz de todas, simplesmente beba diretamente no copo. Estimule crianças a fazerem o mesmo o quanto antes;
  • Se precisar muito usar, opte pelo canudo de papel. Ele se decompõe mais rapidamente e tem menos impacto no meio ambiente. Ele é fácilmente encontrado em diversas lojas de festas e na internet. Lembre-se de sempre priorizar empresas brasileiras e empresas que utilizem papel certificado de origem, como o FSC.
  • O canudo de silicone – flexível e reutilizável – uma boa opção, inclusive para crianças, pois protege seus dentes, porém, não deixa de ter impacto no meio ambiente. Também pode ser encontrado na internet.
  • A empresa brasileira Mentah desenvolveu canudos de vidro duráveis que podem ser utilizados por toda a vida. Os vidros são os mesmos utilizados em laboratório, portanto, os restos de alimentos não grudam. Se você quebrar o seu, eles garantem a reposição por um novo. Você pode comprar no site da empresa.
  • O canudo de metal é reutilizável e pode ser levado para qualquer lugar. Existem diversos tipos de metais, como alumínio e aço inoxidável, é bom sempre verificar se esses metais são tóxicos ou soltam metais pesados. É possível encontrá-los em diferentes diâmetros e formatos. O kit, geralmente, já vem com um limpador interno. Existem diversos modelos na internet e também pela empresa brasileira Beegreen.
  •  canudo de bambu é uma opção natural, reutilizável, durável, prática e leve. Existem diversos modelos no mercado. Aqui no Brasil, o site Paz em Gaia vende canudos de bambu feitos de forma artesanal por uma comunidade caiçara do litoral de São Paulo.
  • Nos séculos passados, todos os canudos de bebidas eram feitos a partir da palha que sobrava das colheitas de grãos. Por isso, em inglês, os canudos levam o mesmo nome que a palha, straw. Em português também existem alguns lugares que chamam o canudinho de “palhinha”. A partir de 1900, a opção foi aos poucos esquecida e substituída pelo plástico. A empresa californiana Harvest Straws trouxe a tradição de volta e produz canudos a partir de sobras de colheitas. As palhas são orgânicas, curadas e desinfetadas. Após utilizados, eles se decompõe naturalmente. Uma empresa brasileira também desenvolveu o canudo de sêmola de trigo, veja aqui.

 

Não podemos permitir que cenas como essas sejam recorrentes (Foto: John Cancalosi/National Geographic)

 

Mas é claro que os canudos são apenas parte da quantidade monumental de resíduos que vão parar em nossos oceanos. “Nos últimos 10 anos, produzimos mais plástico do que em todo o século passado, e 50% do plástico que utilizamos é de uso único e descartado imediatamente”, diz Tessa Hempson, gerente de operações do Oceans Without Borders, uma nova fundação da empresa de safáris de luxo &Beyond. “Um milhão de aves marinhas e 100 mil mamíferos marinhos são mortos anualmente pelo plástico nos oceanos. 44% de todas as espécies de aves marinhas, 22% das baleias e golfinhos, todas as espécies de tartarugas, e uma lista crescente de espécies de peixe já foram documentados com plástico dentro ou em volta de seus corpos”.

 

(Fonte: Blog do Lixo)

 

Não é somente por ser lei que devemos respeitar e dizer não. Mas porque fará uma diferença tremenda e não somente no futuro dos nossos, mas agora no presente.

 

(Com informações da Secom, National Geographic e Ciclo Vivo)

Comentários

Notícias Relacionadas

"AMO MUITO TUDO ISSO"

Dois hambúrgueres, alface, queijo, molho especial, cebola e picles num pão com gergelim

Ainda sem data para finalmente estrear no Shopping Cidade dos Lagos - mas fomos especular - McDonald's inicia processo de pré-seleção de candidatos. Agora vai!

SOLUÇÃO

R$ 20 milhões garantidos para a construção da Casa de Custódia de Guarapuava

Pedido das lideranças guarapuavanas finalmente foi atendido pela Secretaria de Segurança Pública (SESP) e entra na previsão orçamentária de 2020. Nova unidade prisional terá capacidade para 752 presos

ARE YOU READY?

Tudo novo e tudo pronto para a inauguração do Lar Stand Bar neste sábado (17)

Fechado para reforma há cerca de três semanas, o novo espaço promete surpreender e atrair ainda mais público. Camarotes temáticos, reformulação no atendimento e, principalmente, na segurança, deixam a casa renovada para a galera e os baladeiros se divertirem como nunca