Aperte enter para pesquisar

Vídeos

Superprodução

"Kardec" é um filmaço e deve ser assistido por todos, independente da religião

"Kardec tem o coração e a alma no lugar certo, e garante com honestidade um discurso altruísta e amoroso, muito necessário – cada vez mais – atualmente

por Jonas Laskouski

Atualizado em 13/06/2019 - 07h25

Em cartaz no Cine XV, no Shopping Cidade dos Lagos, desde a semana passada, a superprodução nacional Kardec, um filme que tem todos os atributos de um longa-metragem imponente: fotografia, direção de arte, figurinos e locações, todos cuidadíssimos (filmado parcialmente em Paris), além do uso de efeitos visuais eficientes. Tudo para contar a vida do lendário Allan Kardec, fundador da doutrina espírita.

 

O que chama atenção logo de cara no drama é a recriação de época. Somos transportados para a França de 1800, de forma indefectível. Kardec relata um período histórico, refletindo costumes sociais de uma época, que se tornam por si só uma experiência atrativa para os estudiosos e entusiastas do tema, independente de crenças e religiões.

 

Um filme para o despertar dos que ainda não conhecem o espiritismo (Imagem: Divulgação)

 

Obviamente, Kardec é impulsionando como ‘filme religioso’, um filão cada vez mais pulsante ao redor do mundo. E aqui temos como figura central a imagem de um homem responsável pela fé e espiritualidade de milhões de pessoas pelo planeta. E quem sabe através de outros planetas e planos. Allan Kardec, independente de qualquer outro fator, é uma personalidade icônica, e retratá-lo da forma correta era imprescindível.

 

Baseado no livro de Marcel Souto Maior, quem comanda o espetáculo é o cineasta Wagner de Assis, acostumado a lidar com personalidades maiores que a vida, sejam elas rainhas do entretenimento como Xuxa Meneghel (a quem dirigiu em alguns filmes) ou espíritos em uma jornada transcendental para o outro lado. Mas sim, como afirmou o próprio diretor, o segredo está em humanizar tais figuras, as descendo do pedestal e apresentando todas as suas falhas, inseguranças e frustrações.

 

O longa está em cartaz no Cine XV (Imagem: Divulgação)

 

Não vamos contar mais detalhes dessa cinebiografia que tem levado muita gente aos cinema, Mas como bem disse Pablo Mazarello no Cinepop (o Se Liga reforça que esta crítica é assinada por ele, com alguns spoilers retirados do texto) Kardec tem o coração e a alma no lugar certo, e garante com honestidade um discurso altruísta e amoroso, muito necessário – cada vez mais – atualmente. A venda fácil é logo deixada para trás em nome de seus muitos predicados, certos de assimilar o grande público de forma geral, para além de seu alvo (os já ‘convertidos’). A energia é tão positiva que nem mesmo a falta de inovação ou frescor ao tratar o material (bem conservador e antiquado em sua narrativa) se mostram empecilho para o misto de entretenimento e mensagem edificante.

 

 

Comentários